PROJETO FLORA DO ESPÍRITO SANTO

17/03/2012 15:02

 

    O estado do Espírito Santo apresenta uma grande diversidade de ambientes e é o 11º estado brasileiro em diversidade de angiospermas, com cerca de 4.000 espécies. O Estado teve algumas de suas espécies incluídas numa das maiores obras já escritas relacionadas à botânica, a Flora Brasiliensis, organizada por Karl Friedrich Phillipp Von Martius. Para a elaboração desta obra, um grande número de naturalistas foi convidado e, entre os que percorreram o Espírito Santo, estão Maximilian Zu Wied-Neuwied e Wililhelm Geog Freysantense, entre 1815-1816, que foram os primeiros coletores no estado, seguidos por outros até 1877. Também esteve no estado, em 1818, Auguste de Saint-Hilaire, que percorreu o litoral até a foz do Rio Doce, em Linhares. 

    O Estado possui uma área de 46.184 km2, que já foi totalmente coberta por Floresta Atlântica, compreendendo a maior parte do Corredor Central da Mata Atlântica, que abriga importantes centros de endemismos de plantas e considerado uma área de extrema importância biológica. A vegetação é composta por Floresta Ombrófila, Floresta Estacional Semidecidual, Formações Pioneiras (brejos, restingas, mangues) e Refúgio Vegetacional, abrigando uma flora extremamente rica e muitas espécies de distribuição restrita e ameaçadas de extinção. Porém, devido ao intenso processo de crescimento econômico, a Floresta Atlântica no Estado está atualmente restrita a fragmentos de vegetação que ocupam cerca de 8,95% de sua área, isolados por extensas áreas de pastagens, lavouras e plantios de eucaliptos.

    A Flora do Espírito Santo consiste em um projeto de longa duração que será desenvolvido por etapas, ao longo das seguintes linhas: [1] inventário florístico, que representa a primeira fase do projeto e será realizado através de subprojetos de levantamentos florísticos em unidades de conservação municipais, estaduais e federais e também por meio de expedições de campo para coleta de material botânico em áreas com insuficiência amostral; [2] estudo taxonômico e preparação das flórulas, que será realizada por especialistas de instituições de ensino e pesquisa do Brasil, publicadas no livro “Flora do Espírito Santo” e disponibilizadas na Homepage do projeto.

   

Informações:

floraes.webnode.com

floradoestadoes@gmail.com

 

Referências bibliográficas:

Aguiar, A. P.; Chiarello, A. G.; Mendes, S. L. & Matos, E. N. 2005. Os Corredores Central e da Serra do Mar na Mata Atlântica brasileira. In: Galindo-Leal, C.; Câmara, I. G. (eds.). Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. Belo Horizonte: Fundação SOS Mata Atlântica, Conservação Internacional e Centro de Ciências Aplicadas à Biodiversidade.

Ayres, J. M.; Fonseca, G. A. B.; Rylands, A. B.; Queiroz, H. L.; Pinto, L. P.; Masterson, D. & Cavalcanti, R. B. 2005. Os corredores ecológicos das florestas tropicais do Brasil. Belém: Sociedade Civil Maminaurá.

Dario, F. R. 2010. Avifauna em fragmentos florestais da Mata Atlântica no sul do Espírito Santo. Biotemas 23(3): 105-115.

Forzza, R. C. et al. 2010. Catálogo de Plantas e fungos do Brasil, vol. 1. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Fundação SOS Mata Atlântica. 2011. Mata Atlântica. Disponível em: http://www.sosmatatlantica.org.br/index.php?section=info&action=mata. Acesso em: 04 abr. 2011.

IBGE. 2004. Mapa da vegetação do Brasil. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/21052004biomas.shtm. Acesso em 04 abr. 2011.

IPEMA. 2005. Conservação da Mata Atlântica do Estado do Espírito Santo: cobertura florestal e unidades de conservação. Programa Centros para Conservação da Biodiversidade – Conservação Internacional do Brasil. Vitória: IPEMA.

MMA. 2006. O corredor central da mata atlântica : uma nova escala de conservação da biodiversidade. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; Conservação Internacional.

Prado P. I.; Landau E. C.; Moura R. T.; Pinto L. P. S.; Fonseca G. A. B. & Alger, K. 2003. Corredor de biodiversidade na Mata Atlântica do Sul da Bahia. CD-ROM II. Ilhéus: IESB/CI/CABS/UFMG/UNICAMP.

Prance, G.T. 1977. Floristic Inventory of the Tropics: where do we stand? Annals of the Missouri Botanical Garden 64: 659-684.

Ruschi, A. 1950. Fitogeografia do Estado do Espírito Santo. v.l. Considerações gerais sobre a distribuição da flora do Estado do Espírito Santo. Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão, Série Botânica 1: 1-353.

Saint-Hilaire, A. 1974. Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce. Belo Horizonte: Editora Itatiaia.

Soderstrom, T. R.; Judziewicz, E. J. & Clark, L. G. 1988. Distribution patterns of Neotropical bamboos. In: Vanzolini; P. E.; Hever, W. R. (eds.). Proceedings of a workshop on Neotropical distribution patterns. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, pp. 121-157.

Pesquisar no site

Contato

Herbário VIES Universidade Federal do Espírito Santo
CCHN/DCBIO
Av. Fernando Ferrari, 514 , Setor de Botânica
Goiabeiras - Vitória - ES - 29075-910
55 27 4009.7610

 

VIES - Setorial Alegre

CCA/UFES - Departamento de Ciências Florestais e da Madeira

Av. Governador Lindemberg, 316 - Centro

29.550-000 - Jeronimo Monteiro - ES

(28) 3558.2512